© 2023 por Fazendo Barulho. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook Clean Grey
  • Instagram Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • YouTube Clean Grey

Você precisa mesmo carregar tudo isso?

29.11.2016

Como uma pergunta sobre o peso da minha mochila virou uma reflexão sobre o quanto a gente se cobra e o quanto a vida pode ser mais leve

Minha rotina é meio complicada. Trabalho em uma cidade diferente da que moro, não tenho carro, (não tenho teto... brincadeira!) e, por isso, eu costumava sair de casa com uma mochila pesando uns 8 quilos (really) carregando tudo que eu iria usar durante o dia. Notebook era essencial. Carteira, necessaire e alguns snacks também. Às segundas, tinha corrida depois do trabalho, então levava roupa de corrida. Nas terças, inglês e muay thai, então bota livro, luvas de boxe, e roupa de academia dentro da mochilinha. Quarta: corrida. Quinta: musculação e muay thai. Sexta: talvez uma corridinha antes de sair. Se não fosse correr e saísse direto, provavelmente carregava uma muda de roupas "pra sair". Meus dias úteis de 2015 e o início de 2016 respeitaram quase sempre essa regra. Nem sei como cabia tanta coisa. Meus colegas do trabalho até brincavam sobre quantos dias eu ia dormir fora de casa. Bom... nenhum. Meu dia que parecia durar uns 3.

Até que um dia, uma das minhas primas me perguntou: "Mas Van, você precisa mesmo carregar tudo isso?" A minha resposta imediata foi de que eu carregava essa mochila, que mais parecia um mochilão de uma viagem de 20 dias, para facilitar a minha vida. Evitar deslocamentos "desnecessários". Evitar pausas. Ser produtiva. Conseguir fazer tudo o que eu queria e tinha programado para o dia. E talvez realmente fosse isso.

A pulga ficou atrás da orelha e dormi me questionando. Tomei banho pensando nisso ao invés de ler o rótulo do shampoo pela 729ª vez. Cheguei à conclusão de que o ponto-chave não eram quantos quilos eu carregava em si, mas o quanto eu me cobrava para realizar tudo que eu podia, e mais um pouco, no tempo que me restava fora o trabalho. A mochila era a minha desculpa para não deixar de fazer nada, afinal, já tinha carregado tudo o dia inteiro. 

Mas será que preciso ir direto pra academia? Preciso de inglês e muay thai no mesmo dia? Não dá pra deixar um dia livre? Fiz algumas perguntas, ainda tenho que fazer várias, mas algumas coisas mudaram.

De uns tempos pra cá, tento não me cobrar tanto. Levo o essencial comigo e decido o restante do meu dia conforme as coisas acontecem. É a minha forma de trazer um pouco de leveza, no sentido literal e figurado do substantivo, aos meus dias. Tudo bem se não for no treino hoje. Não faz mal não correr um dia na semana que vem. Não digo que você deve desistir de ser sempre melhor (em TUDO o que fizer), nem deixar de fazer o que gosta ou se acomodar. A questão é saber priorizar o que é indispensável para você e não gastar sua energia tentando atender expectativas que talvez nem sejam as suas verdadeiramente. 

Você já pesou sua mochila? Que tal fazer essa análise?

A vida deve ficar muito mais leve se a gente simplesmente aceitar que não dá pra carregar o mundo nas costas. Ou pelo menos evita escoliose.

Please reload

Modalidades