© 2023 por Fazendo Barulho. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook Clean Grey
  • Instagram Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • YouTube Clean Grey

Nem todo mundo tem vontade de correr uma maratona. E tá tudo bem.

16.08.2018

Esse texto é para você, que não tem vontade de ser um maratonista.

E para você maratonista, que precisa saber que nem todo mundo tem o mesmo sonho que você.

 

Eu não queria correr uma maratona até pouco tempo atrás. Achava que não era para mim. Via que a rotina de treinos era pesada, exigia tempo, esforço, dinheiro, vontade. E tudo bem.

Mudei de opinião por diversos motivos. Queria mostrar para mim mesma que conseguia, queria passar por todo o processo de preparação, sentia que era a hora. Fiz a Maratona de Porto Alegre neste ano e me orgulho MUITO disso. Foi difícil, intenso e muito bonito. Cresci demais e sei que não será a única. Admiro demais meus amigos e conhecidos que já completaram os 42km (alguns  mais de uma vez), todos têm o meu respeito. Mas não deixo ainda de me reconhecer naquela Vanessa de alguns anos atrás, aquela Vanessa que “não queria correr uma maratona”. E tava tudo bem.

Cada um sabe qual desafio quer lutar para vencer. Para quem está começando, correr um quilômetro sem parar já é uma grande vitória (e deve ser comemorada como tal). Para outros, melhorar o tempo nos 5km já é motivo de orgulho (e deve ser!). Voltar a andar e correr 5km depois de uma amputação do pé (vale conhecer essa história, vou deixar o link no final!). 10, 15, 21km... o tamanho do sonho de cada corredor é algo muito pessoal e ninguém conhece as batalhas pelas quais o outro está lutando.

Nem todo mundo quer correr uma maratona e não tem nada de errado nisso. Sei que é difícil não nos compararmos com as outras pessoas hoje em dia, com a chuva de posts nas redes sociais, nos dias em que a pista de treino do vizinho sempre parece mais verde. Mas sempre que ver uma foto ou alguém que treinou mais que você, leve aquilo como uma inspiração e não como um desestímulo, ou muito menos como uma obrigação de fazer o mesmo. Afaste pensamentos como “ela consegue, mas eu não consigo por x, y e z”, ou “tá todo mundo fazendo então eu também preciso fazer” e pense no quanto você já evoluiu, no que você quer de verdade e compare-se apenas com você mesmo.

Ninguém é mais corredor por ter feito uma maratona e, principalmente, ninguém é MENOS corredor por não ter corrido uma. O importante é se mexer, não se acomodar e não desanimar. Ser feliz com os 3, 5, 10, 15, 21, 42km, ultramaratonas... independente dos outros. É se sentir melhor a cada dia e perceber a sua própria evolução. Porque a corrida é isso. É terapia, válvula de escape, o momento meditação do dia, é aquela meia horinha do dia dedicada a você mesmo, a cura da depressão, o resgate à vida... Não uma competição entre nós, corredores amadores, pra nos sentirmos melhores ou piores que os outros (no caso dos profissionais é diferente, rs). E assim a gente segue, com a humildade de saber que cada pessoa está correndo a sua maratona na vida, seja ela na corrida, no trabalho, na saúde, na relação com os familiares, nos estudos... e em tantos outros aspectos que nos exigem tanto quanto (ou até mais!) do que correr os 42km.

Faça o que tenha vontade, foque seu esforço e dedique o seu tempo, seu bem mais precioso, àquilo que vai te dar prazer e deixar seu dia mais leve. Se a maratona te trouxer isso, ótimo e bem-vindo ao time. Se não, tudo bem. Não tem nada de errado nisso.

 

+ Blog do Iuri Totti - 6 meses após amputar o pé, americana se prepara para correr 5km nos EUA

Please reload

Modalidades